Wednesday, March 31, 2010

Meu StrogOnofre

( Imagine eu! Dando receita! Me achaaaando!!! Mas até que esse Strogo é tão gostoso e tão facinho de fazer que vale a pena dividir!)


StrogOnofre da Ana Cissa

• • 2 peitos de frango
• • 3 colheres de sopa de gengibre picado em pedacinhos
• • 3 colheres de sopa de pimenta vermelha em flocos
• • 3 colheres de sopa açucar demerara
• • 3 colheres de sopa alho picado
• • 2 tomates maduros sem pele e sem sementes
• • 3 colheres de sopa de oleo de gergelim (sesame oil)
• • 1/2 xicara de molho de soja ( shoyo )
• • 1 cebola picada
• • sal a gosto
• • 1 lata de creme de leite
• • 100 g de champignon fresco picado
• • 1 colher (sopa) de mostarda
• • 1 colher (sopa) de manteiga


Para começar, uma técnica ótima que eu aprendi para deixar o frango bem macio é o que aqui se chama BRINING: Coloque os peitos de frango num ziplock contendo 2 chícaras de água fria e uma colher de sobremesa de sal. Deixe na geladeira por 3 horas.

Prepare o molho para marinar o frango. Adicione o gengibre, o alho, o açúcar demerara, a pimenta vermelha em flocos, o óleo de gergelim, sal e o shoyo num refratário e coloque os peitos de frango para marinar durante 1 hora.

Aqueça o forno 220°C. Embrulhe os peitos de frango, ainda embebidos com o suco do molho feito para marinar, em papel de aluminio. Coloque duas fatias fininhas de limao em cima de cada peito de frango e leve ao forno por volta de 20 minutos. Você pode testar para ver se o frango está cozindo, as vezes dependendo do seu forno, o frango pode cozinhar mais lentamente.

Em uma frigideira grande, derreta a manteiga e doure a cebola, e o alho. Mais ou menos 5 minutos em fogo baixo.
Junte os champignons, os tomates, a mostarda, misture e deixe ferver por cerca de 5 minutos. Incorpore delicadamente o creme de leite, misture ao molho e retire do fogo sem deixar ferver.
Junte o frango, cortado em pedacinhos.
Sirva a seguir, acompanhado de arroz integral & batata palha.
Voilá!



PS: Sugiro um Sauvignon Blanc para acompanhar!

Tuesday, March 30, 2010

ACHAVAL FERRER










I fell in love with this little boutique vineyard in Mendoza - Argentina.
I visited about 10 wineries during my stay in Mendoza, and nothing came close to ACHAVAL FERRER.
From the minute I stepped in their property I was treated like royalty. Their vineyard is just precious. Very chic yet a very simple set up. Their staff gave me the impression that they truly love what they do and that they are very proud of the absolutely precious wine that they produce. After a short but very interesting and informative tour, I got to sit down outdoors, along with a few other visitors, facing the view of the vines down the valley, and we got to taste their beautiful wines. A very knowledgeable vigneron told us the history of their vineyard and went over each wine we were tasting, talking about the flavors, the notes, the years, & the blends...

Achaval Ferrer is the first Argentine winery to score 96 points in Wine Spectator and their wines will continue to blaze a trail and prove to the skeptics that Argentine wine is a force to be dealt with. Achaval Ferrer winery is situated close to the dry riverbed of the Rio Mendoza in Lujan de Cuyo.

If you are planning to visit Argentina, make sure to plan a trip to visit Mendoza, and don't miss the chance to experience a memorable tour at Achaval Ferrer.

Note: Achaval Ferrer is not open to mainstream tourism and visits are hard to get especially in the high season. That makes it for even more of a treat! Email Achaval Ferrer and book a tour with them. if you like wonderful wines like we do, you will LOVE IT!


http://www.achaval-ferrer.com/

Sex Secrets of the Périgord Black Truffle



From the New York Times - Interesting article for us, gourmands! (thanks tio miguel!)

Unearthing the Sex Secrets of the Périgord Black Truffle

By NICHOLAS WADE

The black truffle of Périgord, the cynosure of every foodie’s dreams, is about to yield its most intimate secrets to a team of French and Italian researchers who have decoded its genome. Surely a great day for gastronomy and yet — truffle-lovers be advised — some of the new discoveries may reveal more than you really wanted to know.

Truffles are the fruit of fungi that infect the roots of certain trees. They are of keen interest to pigs, particularly sows, because some secrete androstenol, a hormone produced by boars before mating. People who use sows to hunt for truffles often find it hard to prevent a sex-crazed animal from eating the truffle she has found and may lose fingers in the attempt.

It turns out the truffles, too, have sex lives, said Dr. Francis Martin, a plant biologist at the University of Nancy in France and leader of the research team. The precious fungi had long been thought to lead an asexual existence, but Dr. Martin and his colleagues have found that they have two sexes, or mating types.

The information is of great significance to truffle growers, whom Dr. Martin now advises to inject roots with both sexes of truffle spore. The truffle then benefits from the purpose of sex, which is of course to generate new combinations of genes and fresh diversity.

Truffle growers in France and Italy have a mixed reaction to the work of Dr. Martin’s team on the truffle’s genome. On the one hand, they “are always complaining we are not doing enough for them,” Dr. Martin said. On the other, “they don’t want us to get the magic recipe to produce truffles by the ton because then the price would go down.”

The Périgord black truffle has a large genome, made of 125 million units of DNA that contain about 7,500 genes, Dr. Martin and his colleagues reported online Sunday in the journal Nature. Figuring out what each gene does will take many years, but certain patterns of activity are evident.

Nestled underground in the roots of its oak tree host, the truffle fungus has a suite of genes for detecting light. These are either to help it avoid sunlight and stay safely beneath the earth, or to help it sense the passage of the seasons.

It has another suite of genes for exchanging nutrients with its host. The fungus earns its keep, providing more food for the oak than the tree’s roots can obtain alone.

Truffle-infected trees can often be recognized because a patch of bare earth develops around the trunk. The fungus seems to deter competitors of its tree aggressively, perhaps by producing some plant toxin. Dr. Martin has not yet identified the responsible genes. They may be hard to detect, he said, because they are probably unique to the truffle fungus.

The fungus’s major concern is to spread its spores, a matter of some technical difficulty for an organism that lives underground. So it produces the redolent odors that will compel surface dwellers of all kinds to search for it, eat it and distribute its spores after they have dined.

At the top end of this truffle food line are people, some of whom will pay as if truffles were worth their weight in gold. Such is human wickedness that fake truffles abound, some of them stained with walnut juice to resemble the Périgord black truffle.

People make secrets of the recipes for inoculating trees with spores and the location of truffle groves. They will steal each others’ trained truffle dogs. Dogs have taken over truffle detection duties from pigs because if one is trying to harvest a truffle wood discreetly without alerting the locals, it’s generally a mistake to show up walking a pig on a leash.

In the middle of the food line are boars and squirrels, driven wild by the truffle perfumes designed to mimic their own sex hormones. Dr. Martin said he had traced most of the genes whose products manufacture these chemicals.

Last, there are the truffle flies which lay their eggs in the truffle. From the fungus’s perspective, the insects are just another way of spreading its spores. So it attracts them by releasing anisole and veratrole, two insect pheromones, when the truffle has reached maturity. Truffles can often be detected by looking for congregations of truffle flies.

Don’t the fly’s eggs and larvae degrade the edibility of the truffle? It seems the opposite is the case. “If collected at late maturation stages, the truffles will likely carry eggs and larvae — adding proteins and aroma to the truffle,” Dr. Martin said.

Though the black truffle has a large genome, it has fewer genes than other fungi, possibly because it has chosen a very specialist lifestyle and so needs fewer genes than does a generalist fungus.

The regional nature of the truffle somewhat resembles that of wines. Since people of Périgord, Provence and other regions each claim their truffles are the best, Dr. Martin hopes to develop genetic methods for identifying regional varieties of truffle, so that each could have an official designation of origin similar to those that protect local wines and cheeses in France.


Brumes et pluies

Ô fins d'automne, hivers, printemps trempés de boue,
Endormeuses saisons! je vous aime et vous loue
D'envelopper ainsi mon coeur et mon cerveau
D'un linceul vaporeux et d'un vague tombeau.

Dans cette grande plaine où l'autan froid se joue,
Où par les longues nuits la girouette s'enroue,
Mon âme mieux qu'au temps du tiède renouveau
Ouvrira largement ses ailes de corbeau.

Rien n'est plus doux au coeur plein de choses funèbres,
Et sur qui dès longtemps descendent les frimas,
Ô blafardes saisons, reines de nos climats,

Que l'aspect permanent de vos pâles ténèbres,
— Si ce n'est, par un soir sans lune, deux à deux,
D'endormir la douleur sur un lit hasardeux.

— Charles Baudelaire

Monday, March 29, 2010

my work - book cover


©anacissapinto

my work

East Village Farm & Grocery - great family-run business that is ALWAYS open!


If you live in the East Village or near Union Square, take advantage of the Village Farm Grocery.
They are the big deli on the corner of 9th Street and 2nd Ave, across the street from Veselka.
They have great, fresh and organic products (and they buy from local farmers too!), f
resh squeezed juices, fruit salads, an entire selection dedicated to Gourmet Foods, cheeses, 400+ kinds of Beer (dozens of varieties beers with a global span of U.N. proportions, from sweet raspberry Lambic Belgian ale to fragrant Harpoon India Pale Ale) & Huge selection of sweets, chocolates, cookies, biscuits, and teas from around the world. Entire aisle stocked with cereal from bottom of the floor to the roof. Etc Etc...
And they Deliver! Within the hour! With a smile!

You can go on their site:
http://www.villagefarmgrocery.com and order!

(WHO NEEDS WHOLE FOODS!?)


Local-seasonal-organic-grass-fed-cruelty-free goodies for New Yorkers!


Affordable, sustainable produce sourced from small farms is now delivered to your home or office!

"Basis’s Good Food to You" sources all of its fruits, vegetables, meat, and dairy products from family farms, many of them local.
Deliveries are weekly or biweekly and you can get cage-free eggs from Columbia County; raw honey from Stockin’s Apiaries in Strasburg, Pennsylvania; cream-line yogurt from Meadow Creek Farm in Interlaken, New York....
If you live in the Big Apple but doesn’t have the time to source your own State-grown fruits and vegetables, then Basis could be great for you! Check them out!

http://www.basisfoods.com/


Here's an interesting article by Nicole Reed:

The hardest part of change is always the moment when we know only what we are losing and nothing of what we’ll gain. We’re accustomed to our old ways, even if they are ruinous. In the case of food, the large companies in our old system are big revenue generators in our economy. We need this livelihood, but their products harm our health and the environment. Then what does the strong and successful food company of the future look like?Enter Bion Bartning and his expanding business, Basis Foods. Started in 2008, Basis has three primary revenue streams: 1) Farm-to-Chef, a service that distributes farm produce to New York City restaurants 2) an upcoming retail store and 3) Good Food to You, a home/office delivery service that’s the sweet spot between Fresh Direct and your local CSA. Basis is rooted in the tenet that their food is local and 100% traceable. It’s also imperative to Bartning that it’s affordable.

“We started this company with a single hypothesis: It is a false choice to say that you can have cheap food or good food. We have affordable food that you want to eat. If you can’t make good food affordable, than you can’t address the big issues. Let’s make this accessible to everyone.”

When asked to frame the big issues in his words, Bartning brings up food security, among many other things. “I’m not talking in the bioterrorism sense,” he explains, “We have a threat to our food security due to the concentration of large companies producing our food. We are experiencing a rapid loss of genetic diversity. What would happen if something went wrong with one of these companies? To use the financial language–when Monsanto, for example, becomes too big to fail, this makes our system vulnerable. We should have a system in which thousands of farmers are self-reliant.”

Basis’ products come from a network of about 70 farms that are sure to grow to meet the burgeoning Basis demand. In the weeks leading up to the launch of Good Food for You, the company received over 500 inquiries from people wanting deliveries. In building this arm of the business, they retained one important characteristic of a CSA; like a CSA community drop-off site, they will deliver to a building once five or more customers have signed up at that location. Unlike Fresh Direct, the deliveries will come in bags, not boxes, and reusable bags will soon be a part of this service.

The thinking and the energy behind Basis is powerful. When I recently visited their new offices in the Meatpacking District, Bartning was proud to show off a piece of small business resourcefulness.

“See these desks? We made each one – and it only cost us about $30 a desk,” he said.

The spirit in the room was of people who enjoy each other’s company and who believe in the company they are building. Imagine where they will be in a few short years–after New York, it’s easy to picture Basis in other U.S. cities and likely in the world at large. Why? Here’s a simple vignette to explain:

While Bartning and I were in line for coffee, he picked up a bag of granola for sale near the register. He mentioned that he’s looking for a local granola source for a regular breakfast client and he asked a café employee if the granola was made in-house. When she replied that it was not, he set it back down. He resolved to keep looking. “I wouldn’t sell anything that wasn’t 100% traceable,” he said.

In these services–and in this conviction–we have one of the new, great food companies of the future.


Thursday, March 25, 2010

Wednesday, March 24, 2010

by Zelio Alves Pinto

Tuesday, March 23, 2010

gratitude


Gratitude unlocks the fullness of life. It turns what we have into enough, and more. It turns denial into acceptance, chaos to order, confusion to clarity. It can turn a meal into a feast, a house into a home, a stranger into a friend. Gratitude makes sense of our past, brings peace for today, and creates a vision for tomorrow.

Melody Beattie

Monday, March 22, 2010

Meu médico bruxo maravilhoso!


Terapeuta Holístico - Anníbale Longhi


O Terapeuta Holístico é um Profissional que atua na área da saúde, porém, com uma visão diferente do ser humano; ele o vê como um todo e não em partes como as outras formas de tratamentos. Ele busca encontrar o equilíbrio entre o ser humano e o meio ambiente que o circunda; a relação dele com seu próximo mais íntimo e os seus semelhantes mais distantes; procura colocar em harmonia o Homem físico com o Homem energético, alcançando assim um ser humano em equilíbrio.
Desta forma, ele poderá se relacionar com o mundo vegetal e o mundo animal em perfeita harmonia.
O
Terapeuta Holístico lança mão de recursos naturais para estabelecer equilíbrio ao desequilíbrio. Ele usa desde o primeiro instinto que é a carícia, passando pelas expressões corporais, englobando os toques, as fragâncias, as essências, as manifestações magnéticas, os cristais, etc., até a técnica mais apurada como a Medicina Tradicional Chinesa, valendo-se para isso, do mundo animal e vegetal, porém sem distanciar-se do natural.
A
Medicina Tradicional Chinesa que traz em sua bagagem (5000) cinco mil anos de sabedoria é composta por: Massoterapia, Fitoterapia e Acupuntura; cada uma destas atividades com suas minúcias e particularidades expressa melhor essa relação quando nos apresenta os dois corpos que compõem o ser humano, o Corpo energético e o Corpo físico que se valem de duas glândulas para possibilitar a ligação entre os dois corpos, sendo elas, a glândula Pineal e o Timo. Portanto, a união do corpo energético com o corpo físico, formam o Homem. O corpo energético é o depósito de toda a sabedoria armazenada ao longo dos tempos e que se manifesta nos seres vivios através do corpo físico utilizando a glândula Pineal como elemento de ligação físico-energético.
O
Timo é o microprocessador do corpo físico. Ele é inteligente, conhece e reconhece todas as necessidades do nosso organismo; se estivermos atentos através dos cinco sentidos, ele não permite que cometamos erros com relação ao organismo, é o guardião do nosso bem estar. Ele recebe as informações da glândula Pineal, as modula e as transfere para o corpo físico da forma como foram recebidas. Podemos afirmar que esta é a fase Humoral, em que aparece a doença energética, portanto, o momento ideal para a recuperação do equilíbrio energético. Quando usamos o Timo estamos na fase Celular, chamada da doença física. Nesta etapa encontramos alterações no nosso sistema celular e extra-celular, o que dificulta a recuperação do tecido envolvido. Devemos retirar os grupos de toxinas de maneira que se transformem em toxonas, que é a única forma conhecida pelo organismo para a real elininação (excreção) das toxinas.
Ela nos diz também que este equilíbrio é alterado pelos cinco sentidos que estão a nossa disposição, que são:
Audição, Visão, Olfato, Paladar e Tato. Se você ouve o que não quer ouvir, o sistema bioquímico do nosso organismo é alterado; se você algo que quer ver, o sistema bioquímico também é alterado, e assim se dá com os demais sentidos. Dependendo da intensidade destas informações recebidas, será impresso no corpo energético uma disfunção (energética) que com o passar do tempo, se não eliminada, irá produzir uma lesão no corpo físico que passando pela Glândula Pineal e pelo Timo se fixará no organismo, ao que convencionamos chamar de doença.
Esclarecendo: qualquer função ou disfunção obrigatoriamente passa pelo
corpo energético primeiro para depois se instalar no corpo físico; qualquer correção que se venha a fazer, primeiro deverá passar pelo corpo energético para que se realize no corpo físico.
É sabido que as alterações no
corpo energético só poderão ser realizadas por meio de acupuntura e suas particularidades, e as alterações no corpo físico só se processarão por meio da fitoterapia ou da massoterapia e suas particularidades - chamamos de particularidades tudo aquilo que é usado em cada umas das técnicas para reestabelecer o equilíbrio do ser Humano, sem deixar de ser natural - portanto, tentar realizar qualquer uma destas atividades em separado, não ocorrerá o efeito desejado em nosso cliente, ou seja, não teremos reestabelecido o equilíbrio físico-energético para que tenhamos um ser humano sadio.
Todas as doenças são causadas pelo aparecimento desses desequilíbrios.
Assim gostaríamos de deixar claro que a saúde do ser humano não é monopólio de nenhum grupo, seja ele político, religioso, ou de agremiações técnicas. A saúde é uma dádiva divina, que não pode ser, em hipótese nenhuma, reivindicada como reserva de mercado. As práticas mantenedoras da saúde devem ser praticadas por pessoas equilibradas e tecnicamente preparadas, dentro de padrões éticos, para se obter no final o
bem estar do nosso semelhante.
Gostariamos de enaltecer todo profissional, particularmente o
Terapeuta Holístico, que atua na área da saúde, pela sua dedicação e respeito ao doente; que este nunca esqueça de que o ser humano que está na sua frente é naquele instante o ser mais importante do mundo e o mais frágil, por isso, todo o respeito ainda será pouco. Quando o profissional tiver dúvidas sobre o desequilíbrio que acomete seu cliente, não será vergonhoso dizer que não pode ajudá-lo, será sim um ato de grandeza, devendo auxiliá-lo na busca de outro profissional.
Se em qualquer momento da nossa vida concluirmos que já sabemos tudo, terá chegado a hora de parar, porque neste exato instante estamos regredindo.
Existe um provérbio chinês que diz:
As terapias nunca erram; quem erra é o Terapeuta.

Anníbale Longhi

phone 011 32 7 727 06

Diquinhas NYC



Estou repassando umas dicas que mandei para um amigo meu que está indo passar 4 dias em NY.
Ele pediu dicas de hotéis legais em Downtown, um restaurante bom, diferente e divertido para levar os amigos no Sábado a noite, e um bar bacana perto do restaurante, para after dinner drinks. Aqui vai:

Hotéis
(fazendo a reserva por aqui fica mais em conta: http://the-cooper-square.hotel-rv.com/)
(meu favorito - se não ficar hospedado lá, va conhecer! Tome um drink no Rose Bar que é LINDO. E no inverno ainda tem uma lareirinha.)

Restaurante:
La Esquina (no andar de baixo!)

Bar - PRAVDA

Saturday, March 20, 2010

"Everybody loves Brazil": o editorial da revista "Brasileiros"



Achei fantástico quando vi o texto "Everybody loves Brazil", que fala sobre a vitória brasileira para sediar as Olimpíadas de 2016 e sobre como o Brasil precisa gostar mais do Brasil

Ricardo Kotscho


Viram que chique? Agora tem até título em inglês no Balaio. Pena que não é meu. É o título dado ao editorial da edição número 27 da revista mensal de reportagens que tem o sugestivo nome de "Brasileiros", escrito pelo meu velho colega e parceiro Hélio Campos Mello, que acumula as funções de fotógrafo, diretor de redação e publisher desta bela experiência editoral independente.

Acabei de pegar nas mãos a edição de outubro da revista, que já está nas bancas, com o Antonio Fagundes na capa - de terno, colete e descalço - e uma bela matéria com o grande artista gráfico brasileiro Elifas Andreato - modéstia à parte, feita por mim mesmo.

Participo desta aventura desde o processo de criação da revista e, ao longo destes mais de dois anos nas bancas, sou testemunha da garra e da valentia do casal Campos Mello, que toca a empreitada - ao lado de Hélio, está sempre a incansável Patrícia Rousseaux, sua mulher - junto com uma pequena equipe de jornalistas e designers, formada em sua maioria por jovens.

Sem ser ligado a qualquer empresa de porte, sem mecenas nem sócio capitalista, o milagre da sobrevivência da "Brasileiros", lutando na selva do mercado publicitário e editorial dominado por poucos grandes grupos, é emblemático de uma boa parcela do povo do nosso país que parou de chorar as pitangas, ficou de pé e foi à luta.

Cada edição é como se fosse um parto difícil em que, ao final, acaba dando tudo certo, e a gente não sabe se ri ou se chora. A revista é bonita e bem feita, tem reportagens sobre um Brasil que raramente sai na mídia, conta a história dos anônimos e o lado desconhecido dos famosos. É uma revista que tem alma, tem vida, tem muitas histórias para contar.

Gostaria de participar mais destes partos, mas, embora juntos desde o começo, ele como publisher e eu como repórter, só nos vemos quando saímos para fazer uma reportagem ou no fechamento da revista. Raramente nos encontramos ou conversamos fora do trabalho, cada um com seus compromissos.

Por isso, achei fantástico quando vi o editorial "Everybody loves Brazil" que ele escreveu sem falar comigo. É o que dizem as principais publicações lá fora, mas escrito por um brasileiro me deixou ainda mais feliz.

Apesar da distância, continuamos pensando as mesmas coisas e defendendo os mesmos ideais que nos levaram a fazer a nossa própria revista. Na mesma semana, escrevi algo muito parecido num post publicado aqui no Balaio sobre as Olimpíadas, o bom momento vivido pelo Brasil e a urubuzada agourenta que não se conforma.

Até hoje tem gente me xingando por conta disso. Parece que virou ofensa pessoal falar bem do Brasil. Desconfio que agora quem vai apanhar é o Hélio, um cara que tem a mesma idade que eu (apenas um dia a menos), torce para o mesmo time e, como todo fotógrafo, diverte-se aporrinhando a vida dos repórteres.

O editorial de Hélio Campos Mello:

"Everybody loves Brazil"

Não é por acaso que esta revista se chama Brasileiros. Escolhemos esse nome, em fevereiro de 2007, porque defendíamos - e defendemos - o direito de olhar para o País com mais carinho. Defendemos o direito de torcer a favor dele, e não contra ele. Defendemos a dispensa da obrigação elitista de sermos "inteligentemente" irônicos, autodepreciativos e carregados de soberba ao criticar o País. Podem nos dispensar dessa obrigação. Trocamos tudo isso por torcer e, principalmente, por trabalhar para que o Brasil cresça sob todos os aspectos. Os econômicos, os sociais e os éticos.

Defendemos que o Brasil precisa gostar mais do Brasil. E isso, é óbvio, não significa ignorar o que há de errado nele. E a realidade do dia a dia nos mostra que muito há de errado. Muito há por fazer. Muito há por melhorar. Mas isso não significa que não se possa comemorar o que há de bom. O que foi feito e o que está em andamento. Nós não nos furtamos da crítica. É da nossa essência. É da nossa função. Mas fugimos da prática do linchamento oportunista, calhorda e metido a besta. Assim como fugimos da pieguice. Ou pelo menos do excesso dela.

Desde nossa primeira edição, em julho de 2007, defendemos o direito de demonstrar paixão e emoção no que fazemos e na maneira como olhamos para o Brasil. E, como já estava registrado no nosso número 1, isso passa bem longe de qualquer tipo de ufanismo.

Por tudo isso, trazer as Olimpíadas para o Rio nos encheu de emoção. A vitória conseguida na Dinamarca provocou alegria e entusiasmo. O discurso do presidente da República foi de encher os olhos. Tanto a redação quanto sua interpretação. Pura emoção. Os vídeos feitos por Fernando Meirelles e seus parceiros foram de absoluta e notória competência. Todo o trabalho foi de emocionar.

Agora, a hora, mais do que nunca, é de mãos à obra. Há muito que planejar, muito que trabalhar. A nossa imagem lá fora nunca foi tão positiva. Precisamos melhorá-la aqui dentro e, para isso, é preciso, de um lado, trabalho e, de outro, boa vontade. O Brasil precisa gostar mais do Brasil.

Entre as várias entrevistas que foram feitas nos momentos em que antecederam o anúncio da escolha do Rio como sede das Olimpíadas de 2016, uma chamou a atenção. Um jornalista de língua inglesa, perguntado pela repórter brasileira sobre qual seria a cidade escolhida, respondeu de imediato: Rio de Janeiro. Por quê? "Well everybody loves Brazil!"

Em tempo: para não pensarem que nós dois estamos ficando loucos por vermos as coisas de uma forma um pouco diferente da maioria dos nossos colegas da mídia, reproduzo abaixo trecho da coluna do professor Antonio Delfim Netto publicado na "Folha" desta quarta-feira. Sob o título "Virando a página", escreve este respeitado economista, que foi ministro no regime militar e pode ser chamado de tudo, menos de perigoso vermelho e petista xiita:

"Creio que podemos deixar para trás o diário da crise e voltar as atenções para uma nova agenda de desenvolvimento que se abre à nossa frente.

Há uma conjunção de fatores, internos e externos, oferecendo ao Brasil a oportunidade de recuperar o desenvolvimento e manter um ritmo de crescimento de 6% ou 7% do PIB ao ano nas próximas duas décadas.

Ao contrário da maioria dos países, estamos chegando ao final do ano sem queda do PIB e já entramos em 2010 crescendo a uma taxa anual de 4,5% ().

Está bom assim ou, como costumam dizer, ainda é cedo para comemorar?

Para Barros e Silva

Como bem sabem os leitores mais assíduos deste Balaio, jamais respondo aos ataques que recebo neste festival de destruição de reputações em que se transformaram alguns espaços da blogosfera em guerra permanente uns contra os outros. Não é minha praia, não gosto disso. Cada um que escreva o que quiser e seja responsável por suas palavras.

Mas vou abrir uma exceção para contestar Fernando de Barros e Silva, um colega que respeito, foi meu editor, mas cometeu um pequeno engano ao me citar em sua coluna de terça-feira na "Folha", que só li hoje ao voltar de viagem.

"Palocci, Gushiken, Duda Mendonça, Silvinho Pereira, Frei Betto, Ricardo Kotscho - todos os que aparecem ao redor de Lula de alguma forma fizeram água", escreve ele a certa altura, ao comentar o filme "Entreatos", documentário de João Moreira Salles que mostra personagens da campanha presidencial do segundo turno de 2002.

Como assim fizeram água? Cada um dos citados deixou o governo por motivos diferentes. No meu caso, pelo menos, posso garantir que aconteceu exatamente o contrário: minha vida pessoal, pessoal e profissional só melhorou muito de lá para cá. É verdade que a comunicação do governo também. Por isso, costumo dizer a meus velhos amigos que continuam lá: minha saída foi boa para os dois lados.

Foi exatamente por razões pessoais e familiares que deixei o cargo de secretário de Imprensa do governo Lula, no final de 2004, como sabem todos os jornalistas que conviveram comigo em Brasília, inclusive os da "Folha".

Nos últimos cinco anos, não tive motivos para fazer água, não posso me queixar da vida: como profissional autônomo, além do meu Balaio aqui no iG, onde tenho contrato até 2011, escrevo para a revista "Brasileiros" e faço palestras pelo Brasil inteiro; escrevi mais dois livros (lançados pelas editoras Companhia das Letras e Ediouro, muito respeitadas no mercado); ganhei mais dois premios (o Troféu Especial da ONU de Direitos Humanos, em 2008, e o TopBlog 2009, na categoria política); fiz trabalhos jornalísticos para diversas grandes empresas (entre outras, O Globo, TV Globo, Bradesco, revista Globo Rural, DM9DDB, Itaú Cultural), além de ser conselheiro (não remunerado, como todos os outros) da Associação Brasileira de Imprensa.

Somando tudo, posso garantir ao Fernando de Barros e Silva que ele não precisa se preocupar comigo: nunca fui político nem sou candidato a nada, ganho hoje mais do que nos tempos da "Folha", e várias vezes mais do que quando trabalhei no governo.

Thursday, March 18, 2010

Oops, I burned myself..


That's what happens when you try to cook lunch, talk on the phone, type a proposal, and plan a dinner party at same time.
So I burned my arm, and it hurts. Actually now it doesn't hurt anymore because I applied EGG WHITES on the burn. Did you know that egg whites are a miracle cure for burns, even severe ones? Soak or coat affected area in egg white. While the egg white is still wet you will feel no pain from the burn. As soon as it dries up the pain comes back so reapplication is necessary. This method not only alleviates the pain it actually heals and prevents scarring from the burn.
Egg whites are also great to lower fever. Soak 2 cloths or handkerchiefs in egg whites and put on the soles of the feet (cover with socks). The egg whites instantaneously start to draw the temperature DOWN from the brain (where it is dangerous) to the feet (where it can do no damage).

I would like to let more people know about the miraculous effectiveness of treating fevers and burns with egg whites so please post this on your site if you deem fit.

Wednesday, March 17, 2010

Mr. Brainwash






Today I rode my bike past a gallery in the Meat Packing district and had to stop. From the outside, the art looked interesting, very POP, very Andy Warhol. I parked my bike and walked into the 15,ooo Square Feet gallery, full of fine art and installations. The exhibit in fact is FUN.
Some of the art, I think, is a tiny bit cheesy, but over all it's kind of a good ride. All about icons. Well, the show is called "icons", and the artist's name is Mr. Brainwash. I hear he is Bansky's friend. If you are in the neighborhood, stop by. I think you will enjoy it. Here are some shots I took of the exhibit. Click on the images to enlarge them.