Thursday, February 23, 2012

Por dentro do cérebro - Dr Paulo Niemeyer Filho / Neurocirurgião

Texto que recebi de minha prima Helena e resolvi dividir com vocês. Muito interessante.
(text in portuguese-no translation)




Parte da entrevista da revista PODER, ao neurocirurgião Paulo Niemeyer Filho


O que fazer para melhorar o cérebro ? Resposta:
Vc. tem de tratar do espírito. Precisa estar feliz, de bem com a vida, fazer exercício. Se está deprimido, reclamando de tudo, com a auto estima baixa, a primeira coisa que acontece é a memória ir embora; 90% das queixas de falta de memória são por depressão, desencanto, desestímulo. Para o cérebro funcionar melhor, você tem de ter alegria. Acordar de manhã e ter desejo de fazer alguma coisa, ter prazer no que está fazendo e ter a auto estima no ponto.

PODER: Cabeça tem a ver com alma?


PN: Eu acredito que a alma está na cabeça. Quando um doente está com morte cerebral, você tem a impressão de que ele já está sem alma... Isso não dá para explicar, o coração está batendo, mas ele não está mais vivo. Isto comprova que os sentimentos se originam no cérebro e não no coração.

PODER: O que se pode fazer para se prevenir de doenças neurológicas?


PN: Todo adulto deve incluir no check-up uma investigação cerebral. Vou dar um exemplo: os aneurismas cerebrais têm uma mortalidade de 50% quando rompem, não importa o tratamento. Dos 50% que não morrem, 30% vão ter uma sequela grave: ficar sem falar ou ter uma paralisia. Só 20% ficam bem. Agora, se você encontra o aneurisma num checkup, antes dele sangrar, tem o risco do tratamento, que é de 2%, 3%. É uma doença muito grave, que pode ser prevenida com um check-up.

PODER: Você acha que a vida moderna atrapalha?


PN: Não, eu acho a vida moderna uma maravilha. A vida na Idade Média era um horror. As pessoas morriam de doenças que hoje são banais de ser tratadas. O sofrimento era muito maior. As pessoas morriam em casa com dor. Hoje existem remédios fortíssimos, ninguém mais tem dor.

PODER: Existe algum inimigo do bom funcionamento do cérebro?


PN: Todo exagero.
Na bebida, nas drogas, na comida, no mau humor, nas reclamações da vida, nos sonhos, na arrogância,etc.
O cérebro tem de ser bem tratado como o corpo. Uma coisa depende da outra.
É muito difícil um cérebro muito bom num corpo muito maltratado, e vice-versa.

PODER: Qual a evolução que você imagina para a neurocirurgia?


PN: Até agora a gente trata das deformidades que a doença causa, mas acho que vamos entrar numa fase de reparação do funcionamento cerebral, cirurgia genética, que serão cirurgias com introdução de cateter, colocação de partículas de nanotecnologia, em que você vai entrar na célula, com partículas que carregam dentro delas um remédio que vai matar aquela célula doente que te faz infeliz. Daqui a 50 anos ninguém mais vai precisar abrir a cabeça.

PODER: Você acha que nós somos a última geração que vai envelhecer?


PN: Acho que vamos morrer igual, mas vamos envelhecer menos. As pessoas irão bem até morrer. É isso que a gente espera. Ninguém quer a decadência da velhice. Se você puder ir bem mentalmente ,com saúde, e bom aspecto, até o dia da morte, será uma maravilha.

PODER: Hoje a gente lida com o tempo de uma forma completamente diferente. Você acha que isso muda o funcionamento cerebral das pessoas?


PN: O cérebro vai se adaptando aos estímulos que recebe, e às necessidades. Você vê pais reclamando que os filhos não saem da internet, mas eles têm de fazer isso porque o cérebro hoje vai funcionar nessa rapidez. Ele tem de entrar nesse clique, porque senão vai ficar para trás. Isso faz parte do mundo em que a gente vive e o cérebro vai correndo atrás, se adaptando.

Você acredita em Deus?


PN: Geralmente depois de dez horas de cirurgia, aquele estresse, aquela adrenalina toda, quando acabamos de operar, vai até a família e diz:

"Ele está salvo".

Aí, a família olha pra você e diz:

"Graças a Deus!".

Então, a gente acredita que não fomos apenas nós, que existe algo mais independente de religião.
 

Sunday, February 19, 2012

miracles




As for me, I know nothing else but miracles,
Whether I walk the streets of Manhattan,
Or dart my sight over the roofs of houses toward the sky,
Or wade with naked feet along the beach
just in the edge of the water,
Or stand under the trees in the woods,
Or talk by day with any one I love,
Or sleep in bed at night with any one I love,
Or watch honey bees busy around the hive of a summer forenoon...
Or the wonderfulness of the sundown,
Or of stars shining so quiet and bright,
Or the exquisite delicate thin curve of the new moon in spring...
What stranger miracles are there?

Walt Whitman

Saturday, February 18, 2012

Frases do Drummond


"A cada dia que vivo, mais me convenço de que o desperdício da vida está no amor que não damos, nas forças que não usamos,na prudência egoísta que nada arrisca e que, esquivando-nos do sofrimento, perdemos também a felicidade.
A dor é inevitável. O sofrimento é opcional."

("Every day I live, the more I am convinced that the waste of life is the love that we do not give, the forces that we do not use,  in the selfish prudence that risks nothing and that by dodging us from suffering, we miss happiness.
Pain is inevitable. Suffering is optional. ")


"Amor é dado de graça,
é semeado no vento,
na cachoeira, no eclipse.
Amor foge a dicionários
e a regulamentos vários."

"Amor é primo da morte,
e da morte vencedor,
por mais que o matem (e matam)
a cada instante de amor. "


Carlos Drummond de Andrade

Monday, February 13, 2012

Judgment



"If you judge people, 
you have no time to love them" 
Mother Teresa of Calcutta

Thursday, February 2, 2012

Canto de Iemanjá




Iemanjá, lemanjá
lemanjá é dona Janaína que vem
Iemanjá, Iemanjá
lemanjá é muita tristeza que vem
Vem do luar no céu
Vem do luar
No mar coberto de flor, meu bem
De Iemanjá
De lemanjá a cantar o amor
E a se mirar
Na lua triste no céu, meu bem
Triste no mar
Se você quiser amar
Se você quiser amor
Vem comigo a Salvador
Para ouvir lemanjá
A cantar, na maré que vai
E na maré que vem
Do fim, mais do fim, do mar
Bem mais além
Bem mais além
Do que o fim do mar
Bem mais além


Vinicios de Moraes

The goddess is known as Yemanjá, Iemanjá or Janaína in Brazilian
Candomblé and Umbanda religions.
The Umbanda religion worships Iemanjá as one of the seven orixás of the African Pantheon. She is the Queen of the Ocean, the patron deity of the fishermen and the survivors of shipwrecks, the feminine principle of creation and the spirit of moonlight. A syncretism happens between the catholic Nossa Senhora dos Navegantes (Our Lady of the Seafaring) and the orixá Iemanjá of the African Mithology. Sometimes, a feast can honor both.
In Salvador, Bahia, Iemanjá is celebrated by Candomblé on the very same day consecrated by the Catholic Church to Our Lady of Seafaring (Nossa Senhora dos Navegantes).

Every February 2, thousands of people line up at dawn
to leave their offerings at her shrine in Rio Vermelho.

Gifts for Iemanjá usually include flowers 
and objects of female vanity 
(perfume, jewelry, combs, lipsticks, mirrors).
These are gathered in large baskets and taken out to the sea 
by local fishermen. 
Afterwards a massive street party ensues.